Páginas

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Multiversidade


Você conhece a Multiversidade? É um projeto inovador na área da educação universitária, do qual Jamile Coelho será mentora. Confira detalhes abaixo e uma reportagem publicada no Catraca Livre sobre o assunto:

Comunidade, autenticidade, escuta e empatia são os caminhos que queremos trilhar. A Multiversidade é um convite para que você crie sua própria educação. Cada um é livre para buscar e se aprofundar naquilo que deseja, colaborando com os outros. Autonomia individual e responsabilidade coletiva são princípios fundamentais.

Acreditamos que o conhecimento não deve ser trancafiado em departamentos, nem as pessoas etiquetadas segundo normas sociais. Abraçamos as novas tecnologias ao mesmo tempo em que abrimos as portas aos saberes tradicionais. Acreditamos na diversidade e na experimentação como elementos essenciais da aprendizagem.

Somente seres humanos capazes de aprender, cooperar e fazer escolhas conectados com seus valores mais profundos é que mudarão o mundo. Queremos suscitar essa transformação.

"A Multiversidade é uma comunidade de pessoas que querem se aprofundar nos assuntos que mais as fascinam. Que querem desenvolver as habilidades que julgam imprescindíveis para fazerem o que querem fazer e para serem quem elas querem ser. Nos apoiamos na ideia de universidade democrática, um conceito que surge a partir da educação democrática — um movimento global de transformação educacional em prol da autonomia e da corresponsabilidade. Acreditamos que todos nós temos plena capacidade de decidir por nós mesmos os rumos da nossa educação. Na verdade, mais do que isso: acreditamos que podemos criá-la, desde que estejamos conectados a pessoas que nos apoiam e inspiram. Temos grupos de aprendizagem autônomos, mentorias e acompanhamentos individuais, imersões de aprofundamento focadas em temas específicos, cursos e aulas livres cocriadas e às vezes até oferecidas pelos alunos, pesquisas baseadas nos temas de interesse dos estudantes, uma rede colaborativa de estágios e eventos abertos como Festivais, Saraus, Feiras, Hackathons, Open Spaces etc", explicação de Alex Bretas

Reportagem do Catraca Livre: 
Curso incentiva a criar tema, datas de estudo e forma de aprender

Uma universidade na qual você tem a oportunidade de escolher o que e como quer estudar, quando quer aprender e o projeto que deseja desenvolver. Ela existe, foi criada no Brasil e se chama Multiversidade.

O objetivo é formar uma comunidade de aprendizes autônomos, que aprendam por conta própria assuntos que os interessem.

Os alunos contarão com o apoio de mentores, facilitadores e colegas de turma para redescobrirem suas paixões por meio de conversas, mapeamentos, workshops, leituras e indicações de contatos.

Há quatro fases no modelo de aprendizagem: experimentação, na qual o aluno busca encontrar um foco de interesse; desenho, em que define o projeto que quer produzir; investigação, na qual executa o trabalho; e entrega, quando apresenta o produto final à comunidade.

“Às vezes, a pessoa está no piloto automático da vida e se distancia daquilo que é realmente importante pra ela”, explica Alex Bretas, um dos fundadores da Multiversidade.

Os temas são livres, assim como os projetos desenvolvidos, que podem ser livros, blogs, startups etc. “Não importa o assunto, a gente quer ajudar a delinear caminhos”, afirma Alex.

Criada em 2016 e colocada em prática no mês passado, a iniciativa é fruto do desejo de Adriana Julião, Camila Farias, Conrado Schlochauer, Jorge Leite e Alex Bretas de ter um espaço permanente para conduzir seus estudos da maneira como preferissem.

As primeiras turmas serão formadas por 15 a 25 aprendizes. Há encontros quinzenais, aos sábados, e os alunos são estimulados a se encontrar em outros dias com colegas e mentores para discutir seus objetivos e projetos.

O curso, ambientado em São Paulo e que vai de 29 de abril a dezembro, deve oferecer “open badges” – microcertificações de reconhecimento pelo aprendizado –, que ficarão disponíveis online.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Projeto Pró-Eficiência


O Projeto Pró-Eficiência é um trabalho de autoconhecimento estruturado que serve como base de construção para um projeto de vida. 

O PPE tem como estrutura: Perfil Cognitivo; Perfil Comportamental; Metas e Plano de Ação

É voltado para adultos de todas as gerações, ajudando a fazer escolhas na vida pessoal e profissional alinhadas com quem verdadeiramente é e com seu propósito de vida, naquele momento.

O PPE individual responde as seguintes questões:

- A profissão é o local onde passamos o maior nº de horas do dia. Qual o percentual de felicidade e realização em seu dia de trabalho?

- Você já conseguiu descobrir sua missão para que sua profissão adquira um propósito e um significado?

- Você já descobriu seu estilo de liderança no grupo?

- Como você gerencia seu nível de estresse? Possui canais saudáveis para liberar o estresse?

- Como associar habilidade com paixão?

- Como manter acesa a vontade de aprender independente da etapa da vida?

Em grupos em empresas, startups e parcerias, o PPE responde os seguintes questionamentos:

- As pessoas certas estão nas funções certas?

- Como trabalhar os estilos de liderança por habilidades e não por cargos?

- Por que as pessoas cometem sempre os mesmos erros?

- Como desenvolver a inteligência emocional do grupo?

- Como melhorar a comunicação a partir da leitura verbal e não-verbal das pessoas?

- Como equilibrar os hemisférios cerebrais (razão e emoção) na resolução de problemas?

- Como transformar o processo de aprendizagem em algo produtivo, leve e prazeroso?

- Como alinhar sonhos, pessoas e cultura?

- Como promover envolvimento de todos da equipe?

- Como atender as pessoas de forma personalizada de acordo com o seu perfil?

- O que uma geração pode aprender com a outra?

Depoimentos

Aqui estão alguns depoimentos de pessoas que lançaram mão deste projeto:

“O Projeto Pró-Eficiência ampliou meu auto-conhecimento e me direcionou para tomar decisões importantes na vida pessoal e profissional."
Denyse Meirelles Nociti, engenheira 

“Gostei da estrutura do projeto, dos recursos utilizados e a dinâmica de trabalho foi rica e eficiente. O Projeto Pró-Eficiência propiciou reflexão e me ajudou a definir e operacionalizar metas.”

Marina Campello, tradutora

“O Projeto Pró-Eficiência me deu ferramentas para ter noção do meu perfil, explorar minhas habilidades e aprofundar meu autoconhecimento”

Paula Cristina B. Vieira, Diretora de Investimentos do Banco Itaú-Unibanco

“O Projeto Pró-Eficiência me ajudou a descobrir minha missão.” 

Renato Velloso Nobre, Co Owner na empresa BMGenBrasil e professor do curso Inovação na ESPM

“O Perfil Cognitivo me deu clareza para colocar minhas habilidades em prática e trabalhar os desafios.”
Déborah Arruda Mendes, empresária

“O Perfil Cognitivo é organizador, um instrumento de autoconhecimento com profundidade e clareza.” 
Ana Carolina Garcia Gayotto, psicóloga

"Se pudesse definir em uma frase o PPE, eu diria: O PPE é uma excelente ferramenta de autoconhecimento, que ajuda àqueles que a realizam a crescer pessoal e profissionalmente, tomando consciência de tudo o que é preciso fazer para viver melhor!" 

"O que mais gostei no PPE foram os exercícios de autoconhecimento porque eles trouxeram para a minha consciência todos os pontos importantes que estavam perdidos no subconsciente. Com isso, eu consegui enxergar o meu potencial de mudar o que não estava bom e desenvolver o que precisa ser desenvolvido, tanto na vida pessoal quanto na vida profissional."
Vanessa Morelli Carrieri - advogada da Nestlé

terça-feira, 9 de maio de 2017

Encerramento de um ciclo - Nova fase



Eu, Jamile Coelho, quero compartilhar com todos os novos e antigos amigos que nos acompanham que a casa do Espaço Educacional, na Vila Olímpia, encerrou um ciclo de existência em abril deste ano. O EE com sua metodologia que se apoia no tripé "comportamental, cognitivo e emocional" para a criação de projetos personalizados continuará com uma equipe autônoma, em outro endereço (confira todos os novos contatos no final).

Quando criei o Espaço Educacional há mais de 20 anos, estava em busca de novos caminhos na área de educação, pois sempre acreditei em educação para a vida, autoconhecimento, inovação e no “brilho nos olhos” para aprender. 

Durante estes anos, o Espaço Educacional foi um laboratório de aprendizagem, onde sempre trabalhamos de forma colaborativa, sem hierarquia vertical, aprendendo e ensinando crianças, jovens e adultos, com competência, criatividade e afetividade. 

No EE, nasceu o Perfil Cognitivo há 10 anos, uma ferramenta de autoconhecimento que muito ajudou na personalização dos projetos e que, com suas seis áreas de atuação, vem ajudando pessoas de todas as gerações a se conhecerem melhor e a desenvolverem as competências socioemocionais.

O meu momento é de expansão, de fazer foco nas asas e compartilhar tudo o que construí, com muito amor, nestes 47 anos de vida profissional, com o maior número de pessoas possível.

Novos contatos

Endereço: OFFICE CONCEPT, na Rua Comendador Miguel Calfat, 128 - conjunto 116


Celular: (11) 94171-4477

Facebook: Jamile Coelho

Instagran: coelhojamile

Skype: jamile.coelho6

quinta-feira, 9 de março de 2017

Perfil Cognitivo Kids

Perfil Cognitivo Kids

Uma ferramenta para ajudar pais e educadores na missão de educar para a vida



O Perfil Cognitivo Kids será realizado:

Onde? No Espaço Educacional (www.espacoeducacional.com.br)

Como funciona? Com turmas de, no máximo, 6 (seis) crianças em 4 (quatro) encontros, com 1,5 hora de duração cada, de forma lúdica.

Por que mapear o PERFIL COGNITIVO de uma criança?

Para descobrir e orientar:

- como ela aprende (Estilos de Aprendizado);

- como ela pensa e sente diante de uma situação nova ou de um problema, seja na vida escolar ou no cotidiano da família. (Estilos de Raciocínio e Comportamento);

- quais são suas áreas de interesse e os canais para liberar o estresse de forma saudável. (Inteligências Múltiplas).

Em resumo, para identificar seu potencial: habilidades e fragilidades. E, a partir disso, orientá-la para que conquiste autoconfiança e autonomia na vida pessoal e na vida escolar, e inteligência emocional para lidar com frustrações e adversidades.

O que é o Perfil Cognitivo?

É uma ferramenta de autoconhecimento que nos ajuda a ter uma visão panorâmica do nosso potencial, com habilidades e fragilidades. A partir do resultado, aprendemos a explorar nossas habilidades, potencializando-as, e a exercitar aquilo que precisamos desenvolver.

Qual é a estrutura do PERFIL COGNITIVO?

O Perfil Cognitivo responde a três perguntas:

Como eu aprendo? Com os estilos de aprendizado, podemos ajudar nosso filho ou nosso aluno a exercitar a comunicação e a forma de aprender, que pode ser produtiva e prazerosa.

Como eu penso e sinto para agir e resolver problemas? Com os estilos de raciocínio ou de comportamento, aprendemos e ensinamos, exercitando a capacidade para resolver problemas, sempre alinhados com nossos valores. A busca do equilíbrio entre razão e emoção é um processo que nos acompanha a vida toda, que nos auxilia a fazer escolhas inteligentes em qualquer etapa da vida. Daí a necessidade de começarmos a desenvolver isso desde pequeno.

Quais são as minhas áreas de interesse, habilidades ou talentos? Como descobrir canais para liberar o estresse de forma saudável? Com as inteligências múltiplas, uma nova concepção do que é ser inteligente surge e tem muito a ver com as exigências do século XXI. Descobrimos as áreas de interesse da criança, onde se localizam suas habilidades e talentos. Outro benefício é ajudar a descobrir canais saudáveis para liberar o estresse e conquistar qualidade de vida, desde cedo.

E no final?

Os pais ou responsáveis receberão o resultado do Perfil Cognitivo da criança e uma orientação por escrito.

Quer conhecer mais sobre o trabalho personalizado do Espaço Educacional? Então, acesse nosso site (www.espacoeducacional.com.br), mande um e-mail (jcoelho@espacoeducacional.com.br) ou ligue para (11) 3846-6785.

Perfil Cognitivo - Jamile Coelho


Você conhece o Perfil Cognitivo do Espaço Educacional? É um recurso de autoconhecimento que nos ajuda a ter uma visão panorâmica de nosso potencial e de nossas fragilidades. A partir do resultado, aprendemos a explorar nossas habilidades, potencializando-as, e a exercitar aquilo que precisamos desenvolver.

A diretora do EE, Jamile Coelho, fez um exercício de se apresentar por meio dos resultado de seu Perfil Cognitivo. Confira:

Quem sou eu? Hoje, resolvi fazer o exercício de falar de mim mesma e de minha história de vida, tendo como roteiro o PERFIL COGNITIVO, ferramenta de autoconhecimento que criei em 2007.

Como eu aprendo?

Para responder a esta pergunta, parto de três princípios que acredito muito:
- Aprender e ensinar caminham de mãos dadas no processo de aprendizagem.
- O aprendizado acontece em todas as etapas da vida, da infância à maturidade.
- O aprender acontece quando temos brilho nos olhos, curiosidade, alegria e envolvimento emocional.

No Perfil Cognitivo existem três estilos de aprendizado: Visual, Auditivo e Sinestésico.

O meu estilo de aprendizado visual aliado ao sinestésico é muito forte, pois, ao estudar e aprender qualquer coisa nova, sintetizo rapidamente, coloco em Power Point com palavras-chave e imagens (VISUAL) e imediatamente crio uma ação para vivenciar o que aprendi e compartilhar (SINESTÉSICO). Esse vem sendo o meu processo de aprendizado há muitos anos, apenas acrescentando o Power Point, pois há algum tempo eu apenas fazia síntese e mapa mental.

O estilo auditivo é o meu mais fraco e isto eu contorno anotando TUDO, ou seja, me apoiando no estilo visual. Quando conheço alguém, guardo a fisionomia, mas não o nome. Para assimilar o nome da pessoa, preciso de um tempo de convivência, o suficiente para associar o que sinto por ela (estilo sinestésico).

Como eu penso e sinto para agir e resolver problemas?

Para responder a essa pergunta, o Perfil Cognitivo se apoia nos hemisférios cerebrais e nos estilos de Raciocínio e Comportamento: Interativo e Habilidoso do lado direito (LD) do cérebro e Organizado e Lógico do lado esquerdo (LE) do cérebro.

Ao me deparar com um problema, normalmente entro pela emoção buscando entender o que senti diante daquela situação e o que as pessoas sentiram (LD) para depois acessar e analisar o que aconteceu, onde, quando, como, ou seja, para acessar a realidade (LE).

A predominância do Lado Direito do cérebro, ou seja, a INTUIÇÃO e a EMOÇÃO é o que me move, pois tudo que está relacionado em ajudar o ser humano a aprender, a viver bem e a ser feliz me interessa. É também o que desperta o meu interesse e curiosidade por alguma coisa nova e que dá início ao meu processo de criação.

Os estilos Interativo e Habilidoso são os meus predominantes, ambos do lado direito do cérebro.

O interativo é o que me mobiliza a interagir, compartilhar e fazer trocas em busca de uma solução. E o Habilidoso, é o que me leva para ação, é o que está sempre me encaminhando para situações novas, é o que me atiça a curiosidade e me faz querer experimentar algo de uma forma diferente da habitual e transformar teoria em prática.

O estilo Lógico do lado esquerdo do cérebro está relacionado com o mental, que sempre foi muito forte pra mim. Sempre adorei estudar, ler, sintetizar e acho que isso me fez desenvolver esse estilo. A minha vida escolar foi a grande oportunidade para que eu fosse me descobrindo como aluna e como pessoa, enfim, me apropriando das minhas habilidades. A minha história de vida, o meu processo de autoconhecimento foi acontecendo de uma maneira significativa a partir da minha vida escolar.

Agora vou falar do meu estilo mais fraco e que é e sempre foi um grande desafio: o Organizado. O estilo Organizado para mim representa a linearidade e eu sempre tive muita dificuldade em ser linear. Sou não-linear na maioria das coisas que faço, embora me comprometa por dentro e por fora com o que estou fazendo e seja bastante determinada.

O estilo Organizado representa FOCO e eu sempre tive dificuldade em estabelecer prioridades, pois, tudo que tem a ver comigo, eu entro, me encanto e me doo. Esse é um estilo que eu procuro monitorar, pois sei que a falta dele acaba me prejudicando.

Portanto, desenvolver mais o estilo organizado e o lado esquerdo do cérebro buscando um maior equilíbrio entre os hemisférios cerebrais (razão e emoção) é o meu desafio diário.

Quais são minhas áreas de interesse, habilidades ou talentos?

A resposta está nas Inteligências Múltiplas. Vou falar um pouco sobre as minhas inteligências predominantes e sobre a mais fraca.

A inteligência Linguística ou Verbal sempre foi muito forte em toda minha vida, pois sempre adorei ler, escrever e me comunicar. Escrevi em um diário durante muitos anos de minha vida e adorava falar do que vivia e principalmente do que sentia (LD). Sempre fui uma aluna com preferência para a área de humanas. Ler e buscar conhecimento por conta própria me ensinou a ser autodidata. Gostava de apresentar trabalhos e seminários na escola e faculdade. E no curso normal (magistério), ficou muito nítido o quanto tinha habilidade para ensinar, embora desde os meus 13 anos já ajudasse primos e vizinhos que tinham dificuldade na escola. 

Já os números nunca foram o meu forte. Em matemática, tirava notas para “sobreviver”. Mas a VIDA novamente me traz experiências desafiadoras e eu gosto disso. Foi assim que aconteceu com a matemática. A primeira escola que trabalhei em Franca, a convite de minha querida mestra e amiga Iolanda Ribeiro, foi o Pequeno Polegar e fui dar aula de matemática para crianças de 3º e 4º ano primário naquela época. Acontece que nem a tabuada eu sabia de cor. Quando perguntei na classe quem gostava de matemática, pude perceber que a maioria das crianças não gostava, como eu. Então saí em busca de recursos como música, teatro e muito material concreto para aprender e ensinar. Conclusão: no final do ano, essa era a matéria preferida das crianças.

Quando vim morar em São Paulo, na década de 70, me tornei conhecida porque dava curso para professores sobre didática da matemática, ou seja, meu nome era associado à área de matemática, à inteligência Lógico-matemática, que é a minha 8ª inteligência, ou seja, a última. Isso para mim tem como explicação a sabedoria da vida, que nos traz as dificuldades para que possamos superar, aprender, amadurecer e evoluir.

E aprender, superar, amadurecer e evoluir vêm de encontro a mais duas inteligências predominantes: a Intrapessoal e Interpessoal que formam a inteligência emocional. O interesse por autoconhecimento (inteligência Intrapessoal) sempre esteve presente em minha vida. Mesmo com formação em pedagogia, da qual muito me orgulho, pois sou uma educadora nata, sempre busquei cursos para conhecer melhor o ser humano na área de psicologia. Fiz terapias em diversas etapas da minha vida, workshops de autoconhecimento, estudos, cursos e leituras sobre este tema.

A Interpessoal, que é a inteligência dos relacionamentos e da empatia também me ajudou muito a construir tudo que acreditei, pois sempre gostei de incluir, colaborar, compartilhar e trabalhar em equipe.

Acredito que criação do Perfil Cognitivo materializou o meu interesse e minha experiência de vida com as inteligências Intra e Interpessoal.

A minha quarta inteligência predominante é a Naturalista. É impressionante como preciso do contato com a natureza para me energizar. Adoro pássaros! Para mim não tem nada melhor do que acordar e ouvir os passarinhos, principalmente o bem-te-vi e estar sempre cercada de plantas e flores.

Esta experiência de me apresentar por meio do Perfil Cognitivo foi muito gratificante, pois mostra minha forma de aprender, experimentar, compartilhar, enfim, meu jeito de ser.

Quer conhecer mais sobre o trabalho personalizado do Espaço Educacional? Então, acesse nosso site (www.espacoeducacional.com.br), mande um e-mail (jcoelho@espacoeducacional.com.br) ou ligue para (11) 3846-6785.

sexta-feira, 3 de março de 2017

Espaço Educacional, um projeto de vida



Eu, Jamile Coelho, sempre fui apaixonada por educação, por aprender e ensinar de forma diferente da tradicional. Tive uma experiência na vida acadêmica do Ensino Infantil até o superior, incluindo um supletivo em uma usina próxima à cidade de Franca, onde morava, e adorava o que fazia. Sempre fui muito feliz ao trabalhar em escolas, com diferentes faixas etárias, mas buscava um jeito diferente para explorar e criar diferentes recursos motivacionais que envolvessem os estudantes e despertassem o brilho nos olhos para aprender.

Só que reinventar minha vida profissional sempre fez parte de minha trajetória e ainda acontece até o momento atual. Foi assim que resolvi mudar da vida acadêmica para uma experiência nova, correr atrás de um sonho que eu nem sabia ao certo como concretizar. Dei o primeiro passo que foi largar a escola em que trabalhava e alugar uma sala para atender. E ali, de atendimento em atendimento, foi que a semente do Espaço Educacional começou a germinar.

Qual era o meu sonho? Ao me deparar com o estudante, não importava a faixa etária, era olhar o ser humano que estava ali, descobrir suas habilidades ou talentos e suas dores. Ajudá-lo a descobrir que tinha luz própria e que poderia descobrir uma forma de aprender e estudar “do seu jeito” e que fosse produtiva e prazerosa. Quanto maior a dor, a exclusão, maior era meu interesse em descobrir junto com ele um caminho de volta ao processo de aprender, com curiosidade e alegria.

Só que para que isto acontecesse, era necessário construirmos um vínculo de confiança e de afeto, em primeiro lugar. Depois, percorríamos juntos, um caminho de descobertas em que íamos conversando, experimentando, acertando e errando. E, lidar com os erros com leveza, com humor, criava uma cumplicidade única e divertida.

Como sempre gostei de trabalhar de forma colaborativa, fui formando uma equipe e construí junto com vários professores que por aqui passaram a metodologia do Espaço Educacional, que se firmou em um tripé: comportamental, cognitivo e emocional.

O Espaço Educacional sempre funcionou como um laboratório de aprendizagem, pois tudo que íamos criando, era compartilhado, vivenciado, avaliado e posteriormente aperfeiçoado. E assim, construíamos um projeto de forma personalizada para atender uma determinada necessidade, mas sempre com um diferencial: com muito amor.

Desta forma, o EE virava a segunda casa de todos que aqui chegavam e pelo acolhimento e este olhar diferenciado, as pessoas passavam a fazer parte da nossa história e a gente da história de vida deles.

Este era o contexto que vivia, quando em um processo de Coaching, nasceu o insight da construção do Perfil Cognitivo, a ferramenta de autoconhecimento que vem sendo aperfeiçoada há quase 10 anos com experiências diversificadas, que me reafirmaram que o aprendizado acontece na vida, em qualquer situação, e não necessariamente, na escola. E, isso foi o que sempre acreditei: educação para a vida, autoconhecimento e inovação.

Quer conhecer mais sobre o trabalho personalizado do Espaço Educacional? Então, acesse nosso site (www.espacoeducacional.com.br), mande um e-mail (jcoelho@espacoeducacional.com.br) ou ligue para (11) 3846-6785.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Estudo relaciona atrasos na linguagem a brinquedos eletrônicos



Você deixa seu bebê brincar no celular, tablet ou computador? Cuidado! Um estudo relacionou brinquedos eletrônicos a atrasos na linguagem. Confira detalhes sobre esse ponto negativo da tecnologia no desenvolvimento da criança, no texto publicado no site Catraca Livre:

Os impactos do contato com a tecnologia na primeira infância são diversos e variam de criança para criança e, principalmente, de contexto para contexto. A recomendação da Sociedade Brasileira é que nenhum contato seja permitido até os dois anos, principalmente durante as refeições ou antes de dormir.

Um novo estudo, realizado pela pesquisa Anna V. Sosa e publicado em 2016 no periódico JAMA Pediatrics, associa a relação direta entre a hiperexposição aos brinquedos eletrônicos, como tablets, jogos de celular e computadores, a atrasos de aprendizado e linguagem.

A partir da observação das formas de brincar da criança e dos níveis de interação com os pais, a pesquisa investiga como a relação entre esses dois elementos influenciam a aquisição de linguagem da criança. O estudo aponta que o ambiente de linguagem em que a criança está inserida na Primeira Infância pode influenciar a aquisição da sua fala, além de afetar a leitura e o futuro sucesso acadêmico.

A pesquisa foi realizada em 2016, com 26 famílias e bebês de 10 a 18 meses. Os pesquisadores concluem que a interação com brinquedos eletrônicos esteve associada a redução na qualidade e quantidade de linguagem recebida pela criança, quando comparados com livros e brinquedos tradicionais. Por esse motivo, o estudo conclui que não recomendável incentivar o contato com jogos eletrônicos no momento em que a criança está desenvolvendo a linguagem.

O texto ressalta também a importância do incentivo à leitura nesta fase do desenvolvimento da criança. "Os pais devem ser encorajados a ler para seus filhos e engajá-los em atividades que proporcionem interações reais entre pais e filhos". A pesquisa chama a atenção ainda para o bombardeio excessivo de publicidade dirigida não só às crianças mas também aos pais, que podem ser facilmente iludidos por brinquedos autointitulados educativos que prometem incrementar o desenvolvimento".

Confira um resumo dos principais resultados alcançados:

Para promover o desenvolvimento da linguagem, os pais podem investir tempo para ler para os filhos e brincar junto, olho no olho.

Brincar com livros ou brinquedos tradicionais é melhor do que brincar com eletrônicos, no sentido de promover um nível qualitativo de comunicação entre pais e filhos.

Quando estão brincado com brinquedos eletrônicos, as crianças vocalizam menos, quando comparado ao modo que elas verbalizam e interagem quando estão em contato com brinquedos tradicionais.

Intitulado "Association of the Type of Toy Used During Play With the Quantity and Quality of Parent-Infant Communication" (Em uma tradução livre, "Associação entre o tipo de brinquedo utilizado durante a brincadeira com a quantidade e qualidade da comunicação entre pais e filhos"), o estudo está disponível online e em inglês, para quem quiser se aprofundar na discussão, clique aqui para ler.

*Com informações de Radar da Primeira Infância

Quer conhecer mais sobre o trabalho personalizado do Espaço Educacional? Então, acesse nosso site (www.espacoeducacional.com.br), mande um e-mail (jcoelho@espacoeducacional.com.br) ou ligue para (11) 3846-6785.